O USO DO MIMEÓGRAFO-01a - ArteEducarJun15

Seguindo em frente a 16 anos!
Ir para o conteúdo
Educação > Impressos

MIMEÓGRAFO A ÁLCOOL
REESCRITO 2008
Por: Vivaldo Armelin Júnior - 2006

  • Este aparelho de impressão se popularizou na educação com muita facilidade e alguns fatores colaboraram para isso, como o preço baixo da máquina e da matriz (estêncil), solvente de uso comum (álcool) e a facilidade de uso, mas esqueceram de ministrar cursos para o uso desta impressora e é nessa lacuna que reside o problema.

  • A muito tempo que os governantes implantam soluções tecnológicas novas nas escolas, mas como seu objetivo é apenas o de criar impacto, não se preocupam com a formação das pessoas que a utilizarão. Para se ter uma idéia o mimeógrafo a álcool ainda hoje é tratado como um recurso didático.

  • Muitos Professores(as), com a maior das boas intenções, transferem para o estêncil desenhos caprichados, mas cópias trocadas entre eles(as), com a finalidade de realizarem treinamento motor. O aluno terá que pintar esses desenhos e respeitar seus limites. Na maioria das vezes o aluno recebe tudo pronto para pintar e não existe neste processo a fase de criação. O que é pior, como o desenho é colado ou copiado de outro, também cópia é saber que nem mesmo o professor que o imprimiu não não consegue fazê-lo. Vale destacar que não é sua a culpa, mas da formação oferecida a ele(a).

  • Acontece que esse tipo de trabalho não conduz a um treinamento motor e perceptivo eficiente, pois o aluno terá apenas que respeitar limites que não são seus. Para que o aluno pudesse desenvolver a sua coordenação motora e a integração com as percepções deveria ser apresentado a princípio um suporte onde haveria um desafio, que poderia ser uma colagem, um desenho com areia, o desenho no chão, com barbante e cola etc.

  • O mais interessante e que produz melhores resultados é possibilitar ao aluno a produção de seu trabalho. E numa segunda fase esse trabalho fosse transferido para o estêncil e reproduzido, então distribuído para que o aluno pudesse pintar.

  • Outra solução para esse tipo de trabalho é a reprodução de impressos contendo apenas linhas não completas, mas que possibilitem a criação de desenho.

  • O treinamento motor (Coordenação Motora) se torna mais eficiente porque o aluno é quem produz o seu desenho, a sua colagem, sua escultura e nesta atividade ele irá trabalhar com linhas, formas e o volume. Após a criação, ai sim o professor poderia transferir para o estêncil a cópia do trabalho produzido pelo aluno, porém a obtenção de melhores resultados só será possível caso o próprio aluno experimentasse transferir para o estêncil o seu trabalho, mas sem fazer cola, não importando se ficará diferente.

  • Quando o aluno tem a oportunidade de produzir e reproduzir, ou seja, acompanhar todo processo, poderá experienciar, secagem das cópias e até mesmo experimentar imprimir, mesmo que seja uma única cópia. Essa atitude proporcionará um grande estímulo e os resultados serão ainda maiores, pois ele teve a oportunidade de mimeografar, ou seja, foi parte do processo de produção.

As Barreiras

  • Quando o Professor reproduz uma imagem que não é de autoria do aluno cria barreiras:

1. Como ele se sente incapaz de realizar aquele tipo de desenho, perfeito e rico em detalhamento, perderá a motivação e o interesse.
2. Como não houve a participação do aluno no processo de produção o trabalho resultante nunca será dele, pois ele apenas o pintou e quando questionado sobre a autoria do trabalho se frustrará.
3. O processo de treinamento motor fica incompleto, pois a oportunidade de realmente ter que respeitar espaços e limites não são concretas. Um bom exemplo disso é permitir que o aluno utilize apenas uma parte de uma folha para produzir seu trabalho, cabendo a um colega a outra parte.
Imagens Copiadas & seu tamanho.

  • Este tipo de imagem, as copiadas de livros e revistas, muitas vezes leva o aluno à não respeitar limites ao pintá-las, por dois motivos:

a. são usados desenhos muito grandes, geralmente do tamanho de uma folha de papel sulfite A4 ou Carta. Esse tamanho é uma maneira de desestimular e desmotivar, pois o espaço a ser pintado é muito grande. Como o trabalho se tornará cansativo o interesse e a falta de capricho será marcante.
b. É importante que estes desenhos não ultrapassem o tamanho A5 ou a metade de uma folha de sulfite, no entanto o ideal é o tamanho A6, ou seja, uma folha dividida em quatro partes iguais. Essa é a única solução para esse problema.

Voltar para o conteúdo