Nylongrafia01A - ArteEducarJun15

Seguindo em frente a 16 anos!
Ir para o conteúdo
Arte > Artes Grárficas > Gravura > Técnicas > Em Relevo
Nylongrafia - I
Material:
(A relação fornecida abaixo está descrita em partes para facilitar a produção na quantidade que será necessária para o trabalho com os alunos).
Cuidados e Sugestões
(Para que se obtenha bons resultados é necessário alguns cuidados e este quadro tem esta função, pois além dos cuidados com o produto também existe o cuidado com os alunos. Algumas receitas exigem o uso de fogo, produtos químicos, ferramentas elétricas, entre outras possibilidades, e elas poderão causar acidentes).
  1. 2 m de cordinha de nylon de 3 mm de espessura, no mínimo.
  2. Cola quente ou cola de contato (esta segunda apenas para alunos maiores de 12 anos)
  3. Tesoura grande ou Estilete.
  4. Placa de madeira compensada - tamanho A4 - espessura mínima 2 mm.
  5. Pano para limpeza.
  6. Papel para as cópias, poderá ser papel jornal ou sulfite A4.
  7. Tinta para impressão - recomenda-se a tinta própria para impressão ou tinta a óleo.
  8. Solvente para a tinta escolhida.
  9. Rolo para entintar.
  10. Vide Técnica de Impressão "Sanduíche".
  1. Esta proposta é excelente para trabalhar a coordenação motora e a percepção visual por ser linear. A dificuldade em modelar o nylon é outro fator que contribui com o desenvolvimento perceptivo motor, a paciência, atenção, cuidado etc. A obrigação da medida precisa auxilia no trabalho de Matemática.
  2. Usar madeira compensada e a melhor opção, mas poderá ser substituído pelo papelão, mas este não poderá ter dobra.
  3. Cuidado com o uso da cola quente e principalmente a de contato. Esta segunda é tóxica, por isso recomenda-se o uso de máscara e luvas plásticas. Evitar brincadeiras perigosas, por este motivo esta proposta é recomendada para alunos maiores, 5º série ou ano do Ensino Fundamental em diante.
  4. É um trabalho que obtém resultados motivadores na educação de adultos.
  5. É uma técnica que proporciona um trabalho de alfabetização e não apenas artístico.
  6. Excelente para ser usado como registro em experiências nas aulas de Ciências, em excursões, gravar fórmulas matemáticas e para produção de texto.
  7. Permite com certa qualidade até 200 cópias por matriz.
  8. Como toda matriz para impressão deverá ser produzida espelhada, seja desenho ou escrita, para que no momento da impressão a cópia saia correta.
  9. Como durante o trabalho há a necessidade de secagem é importante que se trabalhe em grupo de no máximo três alunos.
  10. É aconselhável que cada aluno produza pelo menos uma matriz e o trabalho final poderá ser um quadro ou um livro.
  11. É possível produzir uma cópia para cada aluno e outras para distribuição.
  12. Como toda gravura o número da e de cópias deverá ser feito a lápis abaixo da área impressa.      
  13. Considerar o trabalho final a partir da terceira prova.
  14. Para cada cópia é necessário nova aplicação de tinta para que seja garantida a qualidade e a igualdade das cópias.
Como já foi descrito, nosso objetivo é a reflexão e um trabalho a partir de projeto, por este motivo este item, “Ato Pedagógico” irá descrever uma maneira de trabalhar com a receita disponibilizada a partir de um projeto. 
Pré-produção (Antes)
1. Proporcionar uma pesquisa sobre os materiais utilizados, por exemplo: Como é fabricado? Onde ele pode ser utilizado (não é apenas em embalagens ou caixas)? Como ele é mais utilizado? Possibilita reciclagem?
Traz algum dano à natureza?
A partir desta pesquisa proporcionar debates e discussões antes do início do trabalho.
Produção (Durante)
2. Nesta etapa, o professor deverá estar atento às dificuldades e aos problemas encontrados pelos alunos e, não apenas responder ou dar a solução, mas incentivar a pesquisa.
Se o papelão for o suporte, durante o trabalho observar com atenção o processo para evitar erros fatais, para isso, conscientize o aluno da importância da concentração e evitar brincadeiras que possam levar ao erro.
Pós-Produção (Depois)
3. A discussão, exposição dos materiais criados, participação em debates, seminários, se possível abertos à comunidade escolar ou entre escolas.
Alega-se falta de verba, mas a realização de congressos interescolares trariam grandes possibilidades para a construção do conhecimento.
Pelo menos uma discussão sobre o projeto, bastante crítica, deve ser feita e quando outras novas soluções surgirem deverão ser abertas a novas discussões.
PROCESSO (FASE A)
Tenha todos os materiais em mãos antes de iniciar o trabalho.
O trabalho poderá ser iniciado com ou sem o desenho da forma (letra ou figura) desejada.
1. Colocar a madeira sobre uma superfície plana e horizontal. Ligar o aparelho de cola quente e aguardar o seu aquecimento. Não esquecer de colocar o bastão de cola.
2. Enquanto isso escrever ou desenhar sobre a matriz. O aluno deverá ser lembrado que deverá desenhar ou escrever espelhado sobre o suporte.
3. Pegar a cordinha de nylon e começar a cortá-la no tamanho da linha que compõe o desenho e em seguida colá-la. Para cortar a cordinha é recomendado o uso do estilete, mas pode ser usada a tesoura.
4. Repetir o processo até colar todos os pedaços e formar o desenho.
5. Aplicar cola quente sobre as emendas e alisá-la para não ficar relevo. Para alisar e não queimar os dedos usar o estilete ou a ponta do aparelho de cola sem acionar o gatilho.
6. Aguardar a secagem por no mínimo meia hora. Após este tempo já possível fazer as primeira provas, pelo menos três e só então partir para impressão final. Não vá esquecer de assinar, datar e numerar as cópias.
7. Para entintar: Aplicar o rolinho, sem fazer muita pressão, sobre a matriz, por duas ou três vezes, até que esta esteja coberta pela tinta.
8. A técnica de impressão mais recomendada para essa técnica é a "Sanduíche". Vide.
Voltar para o conteúdo