Inter e Fotografia - I - ArteEducarJun15

Seguindo em frente a 16 anos!
Ir para o conteúdo
Educação > Educação
Estudo I
 
Flor & Abelha I
 Por: Vivaldo Armelin Júnior - Out./18
• Uma fotografia pode proporcionar estudos interessantíssimos e na internet existem várias fotos grátis a serem exploradas, ou melhor, estudadas. No exemplo, foi usada uma fotografia de uma flor com uma abelha em busca de açúcar e pólen. Oportunidade para um trabalho interdisciplinar entre várias disciplinas, não apenas Arte e Ciências, como se trata de uma macrofotografia é possível visualizar e estudar detalhes da flor e do inseto, no caso a abelha.
• Outra possibilidade é o trabalho com recorte (crop), como no exemplo, que possibilita isolar a cena de interesse. Lembrando que o recorte impede uma ampliação caso queira imprimir a imagem em tamanho maior.
• A maior resolução permite um estudo mais detalhado dos elementos de interesse, tudo porque permite maiores ampliação ou projeções.
• Esse tipo de captura fotográfica é interessante por, de certa maneira, substituir um microsacópio.
• O estudo poderá ser realizado em um computador, projetado em uma tela por um projetor multimídia, em um monitor ou televisor, de preferência que estes sejam de LCD ou plasma, por exemplo, em função da melhor qualidade da imagem do que os de tubo de imagem antigos.
• Com o recorte, a segunda foto à direita, é possível perseber maiores detalhes no corpo da abelha, nas suas asas, pernas etc. O mesmo em relação à flor, suas pétalas e pêndulos...

• O mais interessante é a cor e a possibilidade de estudar detalhes, principalmente se for um super macro. As capturas poderão ser de troncos serrados ou quebrados de uma árvore, de grãos pequenos, como, o milho, erva doce, arroz branco e arroz integral, uma moeda, o pelo de um animal, os povos na pele humana etc. Uma câmera fotográfica intermediária tem macro de 5 a 2 cm de distância entre o modelo e a câmera, muitos smartphones também produzem macro nessas distâncias e tem resoluções interessantes. O problema é o tamanho do sensor que por ser menor do que os das câmetras profissionais ou de entrada, a qualidade da imagen será menor.
• É importante, para a ampliação é que haja um bom enquadramento e a nitidez (foco) sejam perfeitos. É importante, para as ampliações, que o equipamento tenha resolução igual ou superior a 08 MP. Bom trabalho!
Inter-relação de conteúdos, Interdisciplinaridade e a Fotografia - I
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Abr./18
• Uma grande possibilidade de projeto pode vir da fotografia em filme ou digital, seja após uma excursão pedagógica ou uma viagem feita por professores, ou ainda, uma viagem de férias. Também existe a possibilidade de buscar imagens em bancos de imagem freeware (grátis), mas para esta proposta é importante que estas imagens sejam em vários planos abetos do mesmo modelo.
• Em outro projeto pode-se fazer capturas em planos mais fechados, como de detalhes, mas o que é o objetivo desta proposta é o ambiente onde ele está localizado. As cinco primeiras imagens foram capturadas em posições, ângulos e planos diferentes para que seja possível um trabalho de inter-relação de conteúdo, mais adiante a interdisciplinaridade.
• Todas elas permitem o estudo do meio, da arquitetura, da história, de arte, geografia, matemática, das atividades físicas, de línguas, filosofia, química, física, biologia, botânica, zoologia etc. Essa diversidade de temas favorecerá um estudo mais completo e interessante, não apenas envolvendo um único conteúdo. É a porta escancarada para a pesquisa e produção de textos conduz o aluno ou aluna a novas possibilidades de estudo.
• A comparação entre épocas é uma outra grande possibilidade de estudo. Não podemos nos esquecer da vegetação natural e a cultivada. A modificação do meio, como correção de um terreno, seja para construir ou plantar, a "limpeza" para cultivo e segurança, entre tantas outras possibilidades.
• O material usado para a edificação em estudo, nas fotos é uma casa construída por volta de 1560 pelo bandeirante Anhanguera e sua esposa Susana Dias, na cidade de Santana de Parnaíba - SP. Ainda pode ser estudado a confecção das telhas que eram produzidas nas cochas de escravas negras ou índias, condição que produziam queimaduras sérias nas pernas destas mulheres. O tipo de madeira e a técnica de "taipa-de-pilão", para as paredes externas e internas pau-a-pique.
• O mais interessante é que os próprios alunos produzam as imagens em uma excursão pedagógica e depois, em sala de aula, produzam novas pesquisas que completem as obtidas durante a excursão. Para isso é preciso observar detalhadamente as imagens e selecionar o que será inter-relacionado ou fará parte de um projeto interdisciplinar.
• Sobre a pedra mó um chafariz e bebedouro. Peças comuns na época, mas não da mesma época da construção da casa.
• Abaixo a quinta fotografia teve parte apagada e estas áreas convertidas para transparência, basta "Salvar como..." formato "PNG", não salvar no formato "Gif", pois perde muito na qualidade, ele aceita apenas 256 cores. São muitos os softwares que possibilitam o trabalho com transparência, camada (layer) e a criação de efeitos especiais. O Paint.Net agora está disponível no site da Microsoft e é pago, mas tem outras versões grátis, o Gimp, o XnRetro, também grátis, além dos pagos.
• A variação do ângulo, posição e plano proporciona uma análise mais completa do local e do modelo, como é possível ver nas cinco primeiras imagens, com imagem da lateral e da frente, uma esquina, em outra posição repete-se a diagonalidade do modelo, a terceira frontal, a quarta dos fundos e da lateral que aparece na primeira fotografia e a quinta, do terreno (quintal), dos fundos e lateral de uma posição que mostra a composição de um ponto mais elevado do que ela. Os elementos que estão no quintal também podem ser objeto de estudo, mostrados na fotografia à direita, uma pedra mó e um chafariz e bebedouro de metal. Dois elementos de época.
• A fotografia à esquerda mostra as duas áreas que foram apagadas e convertidas para transparência, depois com a técnica de camada colocou-se a imagem de fundo na parte superior, em seguida, na parte inferior direita o piso e, por fim, colocou-se a camada da imagem principal com transparência sobre as duas outras. O trabalho deve ser salvo com outro nome para não se perder o original.
• A conversão para o sépia antigo ajudará na ideia de fotografia antiga, não se preservou nenhum elemento moderno e nem mesmo a edificação ao fundo, pois ela não existia na época da construção da casa, conhecida como Casa Bandeirante.
• Bom trabalho!
Voltar para o conteúdo