Informações01 - ArteEducarJun15

Seguindo em frente a 16 anos!
Ir para o conteúdo
Leitura Midiática

Leitura Midiática

Entendendo!
Texto de: Vivaldo Armelin Júnior.


  • Em pleno século XXI existem políticos que ainda insistem em desenvolver projetos voltados à alfabetização envolvendo apenas da leitura da escrita e a escrita desligada da arte-alfabetização, ou seja, do desenho das letras. Esse descaso dificulta e até impede um desenvolvimento adequado do aluno, não permitindo a construção do conhecimento. Alfabetizar sem proporcionar condições reais não vai levar a nada, como acontece com essas provas destinadas à classificação do aluno sem considerar a comunidade em que ele está inserido. Essas “provas” são ineficazes porque não avaliam e seus resultados são classificatórios.

  • A mesma situação vê-se nesses projetos ineficazes de leitura e escrita dissociadas da Leitura Midiática e a arte-alfabetização. Você deve estar se perguntando:


  • O que é Leitura Midiática?


  • A leitura midiática envolve todo tipo de leitura associada aos meios de comunicação, inclusive a da escrita. Esse processo não é tão simples como pode parecer, mesmo porque são muitas as mídias e linguagens expressivas existente nesse século XXI. As tradicionais linguagens são absorvidas pelas atuais, mas não destruídas. A televisão incorpora todas as formas linguagens para poder existir, como a pintura, desenho, arquitetura, teatro, cinema etc. O mesmo acontece com a tecnologia computacional, ou seja, a linguagem multimídia. Essa linguagem incorpora todas as demais linguagens e técnicas de expressão e ainda permite a interação. As TIIC (Tecnologia da Informação e Interação Comunicacional).


  • Para haver comunicação é preciso existir um emissor e um receptor, os meios tradicionais de comunicação em sua maioria é unidirecional, pois há um emissor ativo e um receptor inativo. Portanto não existe a troca, a interação entre emissor e receptor, como ocorre com a pintura, o desenho, a escultura, arquitetura, o cinema, a música, rádio, televisão, disco de vinil, CD de música, livro e e-livro (e-book), entre outros. Nesses exemplos o emissor se expressa e produz uma mensagem e ao receptor cabe apenas interpretar essa mensagem, ele não tem como interagir em tempo real.

  • Com a linguagem multimídia isso não acontece, pois é permitido a interação em tempo real, ou seja, existe a troca entre emissor e receptor.

  • A leitura midiática passa pela interação e dessa maneira favorecerá a construção do conhecimento. Vale destacar que o processo de alfabetização e educacional das fases posteriores, no século XXI, não pode permanecer apoiado em duas pernas, leitura e escrita. Esse processo não é motivador e está ultrapassado, não apenas no que se refere a alfabetização, mas a todo processo educacional. O aluno tem acesso à Linguagem Multimídia em casa, nas casas que comercializam o acesso à internet (Lan House), nos telecentros, na casa de amigos, na própria escola... no entanto durante o processo de alfabetização e as etapas seguintes essa condição é totalmente desprezada.


  • Sobre a arte-alfabetização já comentamos no site “Arte-Alfabetização”, deste Portal (ArteEducar.com). O ato de alfabetizar partindo da forma de expressão e técnica desenho é o caminho mais fácil para que o aluno consiga construir o conhecimento e dessa maneira passe a se desenvolver cognitivamente.

  • A alfabetização passa por dois processos, o primeiro é o ato de memorizar cada uma das formas das letras, que na realidade são desenhos abstratos formados por linhas curvas e retas, contínuas ou não, e convencionados. Por incrível que possa parecer as letras são tratadas em sala de aula como um elemento desvinculado do desenho. É por esse motivo que não há como em pleno século XXI os projetos lançados pelo poder público serem voltados apenas à leitura e escrita. Técnica que foi válida para uma época em que a comunicação se baseava em livros e o desenvolvimento científico e tecnológico era bem lento. Nos nossos dias as novas descobertas e novos conhecimentos são lançados na internet em tempo real.

  • Não estamos afirmando que a leitura da escrita e o ato de escrever perderam importância, muito pelo contrário, são importantíssimos, mas não pode mais se basear apenas em uma única forma de leitura. O processo de escrita, como a leitura, passou por evolução, hoje o teclado é a forma mais comum de se escrever, já existe tecnologia que permite escrever ditando para o computador. O emissor dita o texto e a máquina interpreta, por meio do reconhecimento da voz, cada uma das palavras, sinais gráficos (pontos, vírgulas etc.), nesse exemplo podemos perceber que houve uma interação entre emissor e receptor, como então a escola e seus projetos está voltado apenas para o ensino de duas formas de expressão e comunicação?

  • A criança está lendo desde a fase uterina, não apenas a partir do momento do nascimento, seja por meio das palavras da mãe, do pai, os som do ambiente, ou ainda, após o nascimento do mundo que a rodeia. Depois a leitura passa pela televisão, as músicas em CD, os vídeos, filmes, os outdoors, logomarcas, desenhos indicativos etc. A leitura mais ampla já existe desde que o ser humano pode interpretar e decodificar, em outras palavras, desde que ele surgiu, a diferença é que a leitura mais ampla não se fazia necessário.


  • Durante a evolução humana, mais precisamente na Idade Média, uma fase erroneamente descrita por muitos como obscura, foi na realidade uma fase de luz. É nessa época que a Igreja Católica na busca por uma solução para o grande número de analfabetos que eram impedidos de ler a Bíblia, apresenta a solução envolvendo as técnicas arquitetônicas, pictóricas e escultóricas. Essas técnicas permitiam ao analfabeto conhecer a Bíblia e descobrir seu significado. Uma técnica de leitura que não o da escrita em plena Idade Média. A Igreja percebe que apenas a leitura da escrita não era suficiente! Foi uma época onde e quando surgiram as primeiras Universidades, criadas pela Igreja Católica, uma época diferente das anteriores.

  • Como a Igreja conseguiu perceber que não havia apenas uma forma de leitura, e em nossos dias não o colocamos em prática. Vale destacar que naquela época o conceito de leitura não era tão amplo, mas já era fundamental.

  • Outro exemplo são as histórias em quadrinhos, onde a leitura passa pela o da escrita, quando esta está presente, e simultaneamente o da imagem. Mas essa evolução ainda hoje não faz parte do processo.

  • A leitura midiática, como já foi descrito, passa pela leitura da escrita, pois esta é uma forma de expressão e comunicação, no entanto não pode ser exclusiva durante o processo de alfabetização. Existem outras mídias presentes no dia a dia de nossos alunos e que devem fazer parte do processo educacional.

  • Importante:

  • O Portal ArteEducar.com tem o prazer e a obrigação de divulgar uma proposta mais ampla de alfabetização e construção do conhecimento, por esse motivo estamos lançando o Site “Leitura Midiática”, como sempre associado aos outros sites do Portal.

  • É preciso destacar que a leitura midiática envolve também a leitura da escrita, pois esta é uma forma de expressão e comunicação desenvolvida pelo ser humano, mas nos nossos dias não pode ser tratada na e pela escola como a única e verdadeira forma de expressão e comunicação.

  • A alfabetização não pode ser apenas da leitura da escrita e do processo gráfico de escrita, uma vez que em nosso meio existem outras formas mais amplas e diretas de expressão e comunicação, com destaque para a linguagem multimídia.

Voltar para o conteúdo