Informações00 - ArteEducarJun15

Seguindo em frente a 16 anos!
Ir para o conteúdo
Educação > EJA

INFORMAÇÕES EJA

  • No Brasil a educação de forma geral é tratada como um objeto de uso eleitoreiro, muito se fala durante as campanhas e de concreto pouquíssimos realmente é feito algo.

  • Alguns usam palavras difíceis e quando é eleito destrói tudo que já havia sido feito de bom. A maioria tem interesse em destruir os bons projetos, pois o analfabetismo e uma formação ruim proporciona uma maior exploração, menores salários e roubalheira maior. Povo nestas condições é sempre subjugado e pouco pode fazer, pois não tem consciência da sua força e poder.

  • Um grande exemplo da boa formação escolar se viu na Argentina alguns anos atrás quando houve uma roubalheira geral em um certo governo e a pressão popular acabou provocando a renúncia de dois presidentes. A força popular é tão grande que esses políticos preferem um povo ignorante, incapaz e desinformado, pois não lutará pelos seus direitos.

  • São estas as questões que devem ser destacadas nos cursos de formação de jovens e adultos, ou seja, formar um cidadão observador, que saiba analisar, comparar ou diferenciar, criticar e construir.

  • Isso não está num mero sonho, numa fantasia ou ficção. Paulo Freire já previa esta possibilidade, com uma visão além do seu tempo, preocupado com a dominação de uma elite que só objetiva o lucro e a exploração.

  • Um jovem ou adulto, que por algum motivo deixou de estudar, tem algumas necessidades que não são as mesmas dos alunos em fase escolar regular. Na maioria das vezes estão trabalhando e por essa razão precisam completar uma etapa dos estudos para permanecer ou até mesmo ter a possibilidade de evoluir profissionalmente. Essa necessidade não indica que esse jovem ou adulto seja uma pessoa conscientizada, que tenha certeza do seu papel como cidadão e um bom profissional.

  • Muitas destas necessidades estão relacionadas a uma maior importância quanto ao seu papel na construção da história e de uma sociedade igualitária, humana, solidária e unida.

  • Poder ter sua religião e crer em Deus sem perseguição ou difamação. Ter a opção de praticar esportes, participar de atividades de lazer, ou seja, ser um cidadão.


• A formação escolar proporciona uma maior integração com o meio, abre as portas para uma convivência social mais intensa.
Na escola não terá apenas conteúdos fechados e apresentados de maneira unidirecional, mas sim a possibilidade de discutir e entender, neste caso, saberá analisar as situações, criticá-las e a partir desta construirá seu conhecimento e o papel de um cidadão, sabedor de seus direitos e deveres.
• A construção que nos referimos não é  voltada apenas à produção de um bem material, ela é muito mais ampla, mais intensa e que proporcionará o aprimoramento de seus potenciais perceptivos, ampliar as capacidades e habilidades.
• Este método de formação depende muito mais da vontade do professor do que do aluno, uma vez que, se este  primeiro desejar levar a sério o seu trabalho o resultado será bastante satisfatório.

• Quando os resultados forem fruto de um trabalho sério e voltado para a formação crítica e de conscientização do aluno com certeza estaremos mudando a forma de atuação nas comunidades e da formação cultural do povo brasileiro.

• Propostas e métodos que visam a construção do conhecimento exigirão mais do professor. O aprimoramento e aprofundamento dos seus conhecimentos o levará a novas pesquisas, estudo e leitura.
• O envolvimento dos profissionais da educação com o amanhã desses seres humanos, filhos de Deus, nossos alunos passa por uma nova visão, uma nova abordagem dos métodos e propostas educacionais na busca do saber.
• A conquista do saber não é apenas um momento, é como pensar no(s) filho(s), no(s) neto(s) ou bisneto(s), da minha família, da família de meus(minhas) amigos(as) e principalmente daqueles desconhecidos.
• Quando o professor trabalha distante dos alunos, não demonstrando afetividade, respeito, coerência e amizade, os bons resultados serão mais isolados.
• Os alunos precisam ser respeitados para que aprendam a respeitar. No entanto é preciso destacar que em alguns momento o professor precisa agir com rigor para garantir o direito de todos ao saber.
• Um povo com melhor nível de formação tem um padrão de vida mais estável e proveitoso. As pessoas passam a viver mais tempo e a trabalhar pelo bem da sua comunidade, garantindo a higiene, o saneamento básico, o bem estar, o reaproveitamento do lixo, a preservação da natureza etc. É claro que tudo isso será possível se a educação for diferenciada e não para a exploração e o bem-estar pessoal.

  • Para as aulas é necessário que o professor tenha uma postura mais humilde, mais consciente de que a sua frente tem um ser humano que pensa e sente, tem necessidades e ansiedades, como qualquer outro, com toda certeza, com muitos defeitos.


  • Mas quem não os tem?


  • Quando a maneira de pensar é esta e a metodologia visa um aluno mais ativo e participativo, que possa falar, observar, analisar, completar, questionar, aceitar ou não, concordar ou não, e concluir, o processo educacional estará atingindo seu verdadeiro objetivo.

  • A formação não é apenas capacitar um ser humano a desvendar os segredos dos conteúdos a ele apresentado. O termo formação é mais amplo, tem referência a condição de aprender, mas ao mesmo tempo saber analisar e discutir, questionar...


  • No E.J.A., como na educação regular, é preciso que os alunos participem, tenham oportunidade de buscar respostas e soluções quando são desafiados por problematizações lançadas pelo professor. Tenham acesso a material que possibilite a pesquisa, como Sala de Leitura, Biblioteca, Sala de Informática etc.


  • Tudo que é apresentado ao aluno tem que ter uma função e não apenas ser uma afirmação.

  • Muitas aulas teóricas tradicionais apresentam situações ou problemas, seguidos de explicações, mas em nenhum momento o aluno fica sabendo porque está aprendendo aquele conteúdo. Na formação de jovens e adulto esta situação não poderá acontecer.

  • A escola que forma jovens e adultos, deverá estar preparada para novas exigências, como tirar da cabeça do aluno que só se aprende entre as quatro paredes (as que formam uma sala de aula). Possibilitar excursões pedagógicas, pois estas  proporcionam excelentes resultados e, não é preciso ir longe, basta iniciar o trabalho no próprio bairro.

  • Nota: Muitos órgãos públicos, instituições educacionais com ou sem fins lucrativos, ONGs, adotam a sigla EJA (Educação de Jovens e Adultos), para facilitar a comunicação, mas vale destacar que existem diversas formas e métodos para a formação escolar de jovens e adultos, como: as escola de ensino supletivo presencial e regular; o ensino à distância (telecursos, correspondência, Internet, etc.); ensino modular, entre outras propostas.

Voltar para o conteúdo