Escrita Cuneiforme01A - ArteEducarJun15

Seguindo em frente a 16 anos!
Ir para o conteúdo

Escrita Cuneiforme01A

Como Fazer > Escritas
Escrita Cuneiforme
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Set./19
• Argila umedecida ½ Kg por aluno.
 
• Um palito para tirar cutícula de madeira com uma ponta chanfrada e a outra pontiaguda.
 
• Suporte de madeira, evitar compensado.
 • Um ou dois rolos de macarrão para alisar a argila, pode ser garrafas de vidro, ou ainda, garrafa Pet cheia de areia.
• Pode ser produzido por alunos de qualquer idade, mas para alunos até o 3º Ano/Série, cortar a ponta pontiaguda.
• Trabalho que pode ser desenvolvido por qualquer disciplina.
• A placa poderá ser queimada, mas correrá o risco de quebrar durante o processo de queima. Para evitar a argila deverá ser de boa qualidade e não poderá ter areia misturada.
• Deixar a placa secar muito bem, longe do sol direto, em local arejado, sem humidade, distante de gordura, produtos químicos etc.
• A queima poderá ser realizada na própria escola, mas será necessário um acompanhamento durante o processo, pois este leva entre 24 a 72 horas. Também há a opção de queima em locais especializados, mas será pago. Outra possibilidade é a queima em uma olaria, junto com o tijolo, se houver um acordo, poderá sair até de graça.
• Este trabalho poderá ser realizado com porcelana fria (biscuit) e esta massa poderá ser produzida em sala de aula. Vai precisar de um forno de micro-ondas. Tem várias receitas no YouTube.
Pré-produção (Antes)
Um pouco de História:
• A escrita cuneiforme é uma técnica que foi desenvolvida pelos Sumérios, a mais de 3.500 anos a.C., ou seja, a mais de 5.500 anos antes de nossa era. Uma técnica que permitiu perpetuar a informação, usando sinais e desenhos para representar palavras, sons e quantificar. São muitos os países/povos que adotaram essa técnica, como a Mesopotâmia e o Egito.
 
• Uma técnica simples, pois as gravações eram feitas em uma superfície lisa de argila e que poderiam ser queimadas para perpetuar o registro, quando esses fossem importantes. O problema é que eram de difícil leitura e interpretação.
 
• Usava-se uma ferramenta no formato de cunha, por esse motivo recebeu o nome de cuneiforme.

1) O primeiro passo é fazer uma pesquisa sobre o tema do projeto, em seguida produzir o texto, fórmula matemática ou imagem a ser gravada. Boa opção para trabalho inter-relacionando conteúdos e ou interdisciplinar.
Produção (Durante)
2) O ideal é produzir o material em uma aula, no mesmo dia, mas se não for possível cobrir a placa produzida com um pano úmido por até 72 h. Pode ser produzido em dupla, não recomendamos grupos maiores.
É necessário ter atenção máxima, isso evitará erro. O acompanhamento por parte do professor é necessário.
Caso haja erro user um pedaço de argila para cobrir a área, mas cuidado para não danificar a(s) áreas adjacentes já gravadas. Essa correção deverá ser feita usando o lado chanfrado do palito.
Pós-Produção (Depois)
3) Trata-se de um trabalho que se queimado poderá ser permanente e fazer parte de um museu escolar ou uma exposição. Estes poderão ser expostos em outras unidades escolares, em praças públicas e explicados pelos próprios alunos, Museus, Centros Culturais etc.
 O trabalho poderá ser iniciado com ou sem o desenho da forma a ser desenvolvida (letra ou figura) e desejada.
• Pegar a argila e com o rolo transformá-la em uma placa de aproximadamente 2 cm de espessura. Recortá-la formando um quadrado ou retângulo. Antes que comece a secar, com o palito, gravar as letras (do nosso alfabeto) formando as palavras e ou textos (previamente produzidos para não haver erros de ortografia e ou gramática).
 
• Outras opções: Fazer desenho figurativos ou abstratos; registrar números, operações matemáticas, fórmulas, descrever experiências de Ciências, estudos de Geografia, História, Língua Estrangeira etc.
 
• Terminado o registro, aguardar a secagem por pelo menos 72 horas, vai depender do tempo, podendo ser mais. Pode-se levar ao forno para queima, perpetuando o registro e usando a cerâmica obtida como parte de um museu dentro da escola com acervo produzido pelo aluno.
 
• Bom trabalho!
Voltar para o conteúdo