Em Excursão01 - ArteEducarJun15

Seguindo em frente a 16 anos!
Ir para o conteúdo
Grupo de Pesquisa > Fora da UE
Excursão e Pesquisa II - Novo
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Ago./16
• A pesquisa em grupo traz resultados bastante interessantes quanto a construção do conhecimento e o próprio desenvolvimento cognitivo. Em uma excursão pedagógica é importante que sejam trabalhados todos os conteúdos, primeiro pela inter-relação destes e depois, quando possível pela interdisciplinaridade. Nas imagens, na cidade de Salto – SP, é possível estudar o Rio Tietê, animais, insetos, o relevo, plantas, produzir textos, imagens fotográficas e em vídeo, desenhos, pinturas, entre outras possibilidades. A cidade possui dois parque interessantíssimos e que fazem limite com o poluído Rio Tietê.
• O interessante é que apesar da poluição o rio naquela cidade tem peixe, pois existem várias cachoeiras e muita pedra em seu leito, estas provocam a oxigenação da água, principalmente após a barragem no Centro da Cidade.
• A pesquisa é muito ampla e gera muita informação, que após a excursão, pode ser aproveitada para estudos em sala de aula.
• Com uma câmera compacta intermediária ou um bom celular é possível usar o zoom para captura de imagens no modo macro, imagens de insetos, plantas, folhas, flores, troncos, da água, das cachoeiras, corredeiras, da barragem, sempre sob orientação do professor e ocorrendo o registro (escrito, fotográfico e ou em vídeo, bem como, desenho e pintura...).
• Com imagens acima de 10 MP é possível ampliá-las, desde que não sejam capturadas com zoom óptico, na tela de uma TV ou computador e fazer estudos minuciosos de insetos, pequenas flores, fungos, folhas, do solo, de pedra, camadas do solo etc.
• Esses registros proporcionarão, caso façam parte do projeto interdisciplinar, a produção de textos, consequentemente de um livro ou e-livro, apresentação de slides com ou sem áudio, vídeo, exposição de fotografia, desenho e pintura, mas envolvendo todas as disciplinas pela inter-relação de conteúdo ou pela interdisciplinaridade.
Pesquisa durante uma excursão
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Mai/2016
• Quando é feita uma excursão pedagógica tem-se por objetivo ampliar o conhecimento de maneira mais prática e que leve à construção do conhecimento e o desenvolvimento cognitivo. Esse trabalho tem melhores resultados quando feito interdisciplinarmente, mas cada professor tem que dominar a inter-relação de conteúdo.
• Quando se trata de pesquisa, não deve ser uma atividade exclusiva da sala de aula, de informática, de leitura, como lição de casa ou em bibliotecas públicas, é essencial que o aluno durante uma atividade fora da sala de aula tenha acesso a informações importantes não apenas aquelas oriundas do professor, mas por meio de entrevistas, leitura de textos, vídeos, fotografias, desenhos, pinturas etc.
• É a leitura mais ampla, ou seja, a leitura midiática, pois a pesquisa depende da leitura, interpretação e registro.
• O aluno não pode e não deve fazer cópias, a não ser para citações, condição para uma verdadeira pesquisa.
• Durante a excursão o aluno deve ser direcionado à proposta de trabalho apresentada pelo professor e este, de maneira direta lançará problematizações, não oferecerá respostas ou soluções, mas incentivará o aluno a busca-la.
• Os celulares, smartphones e até tablets, com conexão à internet, são meios de comunicação que permitem a pesquisa na internet, fazer entrevistas à distância, visualizar imagens, mapas etc.
• Estes aparelhos multimídias permitem a leitura midiática, condição básica para uma pesquisa recheada de informações, que devem ser selecionadas antes e durante a excursão pedagógica.
• Durante as atividades da excursão pedagógica, após um tempo, fazer uma parada, por exemplo, em uma praça, jardim ou parque, para um “Grupo de Pesquisa”.
• Como ocorrerá? Simples, os alunos formam uma roda, sentam-se e de acordo com as orientações dos professores, iniciarão uma pesquisa sobre o local ou localidade, que deverão ser registradas escrevendo, gravando em áudio e ou vídeo, após discussão e reescrita pelo grupo. O professor deve estar atentos para favorecer questionamentos e quando necessário, gerar problematizações.
• O tempo máximo, por mim sugerido, não deve ser superior a 30 min. Por quê? Os alunos estão ansiosos por “descobrir” o local ou localidade, segundo, não se trata de uma sala de aula e não é produtivo permanecer parado. Há é óbvio uma exceção, quando se tratar de uma aula em ambiente externo, nessa situação, o tempo não deve ser limitado.
• Bom trabalho!
Voltar para o conteúdo