Cor00 - ArteEducarJun15

Seguindo em frente a 16 anos!
Ir para o conteúdo

Cor00

Arte > Cor

QUENTE E FRIA I

• As cores são classificadas entre quentes e frias em função da maior ou menor capacidade de reflexão e/ou absorção da luz, porém elas vão variar quanto a sua origem, pigmento opaco, transparente e luz..
• As cores quentes são aquelas que tem maior poder de reflexão da luz, conseqüentemente tem menor poder de absorção. Por refletir maior quantidade de luz nos passam a sensação de calor ou quentura.
• Por sua vez as cores frias reagem de forma contrária às quentes, pois elas absorvem maior quantidade da luz e conseqüentemente refletem menor quantidade.
• Cada cor, quando oriundas de misturas, possuem variações na quantidade entre as cores quentes e frias e é exatamente esta quantidade que determina se uma cor á mais quente ou fria. Outro fator importante se refere a uma cor fria de maior intensidade que está ao lado de uma outra cor fria, mas de menor intensidade, poderá nos parecer que a primeira é quente e a segunda é fria, o contrário também é válido. É muito comum ocorrer esta sensação ocorrer em uma escala ou gradação tonal.
Na figura abaixo um tom de verde médio frio nos parecerá em um momento quente e em outro frio, observe:

CORES-PIGMENTO TRANSPARENTES

CORES-PIGMENTO OPACOS

CORES-LUZ

Escala Tonal 01
Por: Vivaldo Armelin Jr.
• Entender a escala de tons das cores e neutros é preciso entender que cada cor possui um grau de pureza – não sofrem a ação da luz ou da mistura com outra cor ou neutro e que os neutros não são cores. Nas duas situações, com a ação da luz, poderá ocorrer uma variação tonal sobre o corpo de um elemento em função:

1. Das sombras – própria ou projetada;

2. Das áreas mais ou menos iluminadas.

3. A segunda possibilidade ocorre pela mistura entre:
a. duas cores – uma mais clara e uma mais escura;
b. uma cor e um dos neutros;
c. ou ainda, a mistura entre dois neutros.

• A Escala de Tons trabalha com porcentagem para identificar cada um dos tons de acordo com sua variação do claro para o escuro. Os valores são identificados a partir do tom mais claro - 100%, até chegar ao mais escuro – 0%. O índice de 100% refere-se ao tom de uma cor que tenha o maior poder de reflexão e intensidade. Veja na figura os exemplos de:

5. Pela variação de uma cor, iniciando no branco, passando por ela e terminando no preto.

4. A Escala Tonal de uma cor que inicia no tom mais claro desta, passa por ela e termina no mais escuro.

6. Iniciada no branco, surgindo os tons de cinza e culminando no preto.

7. Por fim, uma escala tonal a partir da mistura entre duas cores, iniciada pela cor mais clara, até chegar à mais escura.

Cores-Pigmento Transparentes I

Por: Vivaldo Armelin Jr.

Cores-Pigmento Transparentes

• Magenta:
Cor primária, tem como complementar o verde e é uma cor fria.

• Ciano:
Cor primária, tem como complementar o vermelho e é uma cor fria.

• Amarelo:
Cor primária, tem como complementar o Azul-violetado e é uma cor fria.

• Vermelho:
Cor secundária, originária da mistura do magenta com o amarelo e é uma cor quente.

• Verde:
Cor secundária, originária da mistura do ciano com o amarelo e é uma cor fria.

• Azul-violetado* ou Violeta:
Cor secundária, originária da mistura do ciano com o magenta e é uma cor fria.

Nota: A denominação mais correta é azul-violetado e não apenas violeta, mas muitos autores aceitam desta forma simplificada..

Cores-Pigmento Opacos I

Por: Vivaldo Armelin Jr.

Cores-Pigmento Opacos

Vermelho:
Cor primária, tem como complementar o verde e é uma cor quente.

Amarelo:
Cor primária, tem como complementar o violeta e é uma cor quente.

• Azul:
Cor primária, tem como complementar o laranja e é uma cor fria.

• Verde:
Cor secundária, originária da mistura do azul com o amarelo e é uma cor fria.

• Laranja:
Cor secundária, originária da mistura do vermelho com o amarelo e é uma cor quente.

• Violeta:
Cor secundária, originária da mistura do azul com o vermelho e é uma cor fria.

Nota: Na realidade a mistura entre o azul e o vermelho não gera o violeta, mas como é aceito pela maioria dos especialistas foi mantida, muito mais pela força da tradição. Para a produção do violeta a mistura correta é magenta e azul. Também vale lembrar que a mistura entre o magenta e o amarelo não gera o laranja. A denominação mais correta é azul-violetado e não apenas violeta, mas muitos autores aceitam desta forma simplificada.

Cores-Luz I

Por: Vivaldo Armelin Jr.

Cores Luz

• Vermelho:
Cor primária, tem como complementar o ciano e é uma cor quente.

• Verde:
Cor primária, tem como complementar o magenta e é uma cor fria.

• Azul-violetado* ou Violeta:
Cor primária, tem como complementar o amarelo e é uma cor quente.

• Magenta:
Cor secundária, originária da mistura do azul-violetado com o vermelho e é uma cor fria.

• Amarelo:
Cor secundária, originária da mistura do verde com o vermelho e é uma cor quente.

• Ciano:

Cor secundária, originária da mistura do azul-violetado com o verde e é uma cor fria.

Nota: A denominação mais correta é azul-violetado e não apenas violeta, mas muitos autores aceitam desta forma simplificada..

Cor Adjacente 01
Por: Vivaldo Armelin Jr.
• Trata-se de toda cor no círculo cromático que está ao lado de uma cor primária ou geratriz. Esta cor em um círculo de doze cores será sempre o resultado da mistura entre a primária e a secundária a sua direita e a sua esquerda, o mesmo para as secundárias.
• Em um circulo cromático de seis cores as adjacentes de uma primária será sempre uma secundária, esta última originária da mistura entre as duas primárias.

Adjacentes das Primárias.

 Adjacentes das Secundárias.

Cores-Pigmento Opacos

Cores-Pigmento Transparentes

Cores-Luz

Cor e as técnicas 01
Por: Vivaldo Armelin Jr.
• Cada uma das técnicas de pintura e desenho produz resultado próprio quanto à intensidade, transparência ou opacidade, cobertura, temperatura de cada uma das Cores Pigmentos, sejam elas Opacas ou Transparentes.
• Nessa abordagem iremos demonstrar visualmente estas diferenças entre cinco técnicas de pintura e desenho. Também as possibilidades quanto aos resultados produzidos.
• Usaremos como exemplo: a Tinta a Óleo, Guache, Aquarela, Giz Pastel Seco e Caneta Hidrocor.
• A Pintura a Óleo é uma das mais utilizadas por artistas do mundo inteiro, por vários motivos, como: a plasticidade, o tempo de secagem lenta, não muito brilhante, a durabilidade, a mistura das cores, a grande variação de tons etc.
• A tinta guache é uma tinta que exige muito conhecimento por parte do artista, mas seus resultados são magníficos. O problema está na dificuldade de realização dos trabalhos porque ela tem o inconveniente de secar com facilidade. Quando a tinta começa a secar, caso seja adicionada água, a cor ficará mais clara e a tinta menos encorpada. Tem, no entanto, a vantagem de ser uma tinta de cobertura que grande qualidade, mas o inconveniente de ser solúvel em água e estar sujeita ao ataque de traças, fungos, insetos, formigas etc.
• A Aquarela é uma Técnica de Desenho e não de pintura como muita gente pensa. Tem uma característica marcante que é a transparência e a suavidade das cores, ao contrário da tinta a óleo e do guache. Como o guache, é solúvel em água e por esta razão mais sujeita à umidade, bolor etc. É talvez a técnica de desenho mais complexa, pois o artista trabalha não com as formas, mas com manchas que determinam as formas, volume e textura.
• O Giz Pastel Seco é outra Técnica de Desenho e talvez a que mais exige cuidado, pois originalmente ela não se fixa ao suporte, mas sim apenas é depositado durante os traços feitos pelo artista, o atrito do dedo ou de um esfuminho. Para entender melhor, podemos comparar com a poeira que é depositada sobre uma folha de papel, caso esta seja agitada o pó será lançado ao ar e perdido. O pó gerado pelos traços do giz pastel tem essa característica, pois é um bastão seco e sem nenhum aglutinante úmido para fixá-lo ao suporte. É uma técnica que exige pelo menos uma moldura e que seja protegido por um vidro. Existe a possibilidade de aplicação de um verniz ou impermeabilizante em spray sobre o giz, mas ele faz com que as cores percam a sua maior qualidade, a suavidade e é mais difícil de manter as áreas onde há tons claros ou as brancas.
• Por fim, a Caneta Hidrocor, geralmente de uso escolar e por esta razão de baixa qualidade cromática, resistência à luz e variedades de cores, no entanto existem as Canetas Hidrocor profissionais, muito usadas por publicitários. A sua tinta é mais resistente à luz e de maior transparência. Os resultados são bastante interessantes e de muita qualidade. É uma Técnica de Desenho muito recente e que tem muito para evoluir.
• Você poderá observar as diferenças e semelhanças entre algumas das técnicas de pintura e desenho abaixo. Nenhum dos trabalhos é baseado em uma flor real, pois o objetivo deste é apenas mostrar questões como opacidade, da tinta a óleo e guache; a transparência da aquarela e da caneta hidrocor; a textura diferenciada do giz pastel seco e as demais técnicas.
  • De acordo com os objetivos do professor cada uma destas técnicas poderá oferecer um resultado diferenciado e que atenda melhor às necessidades de um projeto, como um livro que será fotocopiado e reproduzido pela mesma técnica. No caso desse exemplo o ideal é utilizar caneta hidrocor, giz pastel seco ou a aquarela, pois o resultado deste processo com estas técnicas é mais interessante e realista.

  • No entanto o desejo é fazer capas para a publicação personalizadas a pintura a óleo e o guache favorecerão melhores resultados.

  • Esta é a questão fundamental, pois o professor de Português, Matemática, História, Geografia, Ciências, Língua Nacional ou Estrangeira, poderá fazer uso individualizado ou até mesmo de todas as técnicas aqui apresentadas.

  • Durante uma excursão da Disciplina de Ciências o aluno é convidado a pintar folhas de plantas em seu caderno para que possa na escola estudá-la. Esta atitude evitará a degradação do meio ambiente e o professor, garantirá maior aproveitamento no que se refere à analise, observação e entendimento da aula. Mas neste caso qual a melhor técnica a ser utilizada? Posso dizer que nesses casos o aluno irá fazer representações rápidas, por esta razão o giz pastel seco e a caneta hidrocor são as mais indicadas. Quando for necessário um maior detalhamento e transparência a tinta aquarela é a mais recomendada.

  • Você professor deve ter observado que com poucas manchas ou traços foi possível representar flores diferentes umas das outras, não podemos falar aqui em espécies, pois essas do exemplo não foram baseadas em plantas reais, mas sim da imaginação.Cores-Pigmento Opacos

  • Como a flor, no exemplo acima, o aluno poderá representar animais, aves, troncos, outras plantas, a água, insetos etc.

  • A ave da imagem mais acima e a folha acima demonstram as possibilidades do uso da imagem durante uma aula onde a simplicidade dos traços permitem a observação e análise posterior. O mesmo poderá acontecer com a folha acima, na qual podemos observar que é uma folha que já está secando.

  • Esta é a preocupação desta proposta, mostrar quanto qualquer professor poderá trabalhar usando técnicas de desenho e pintura para enriquecer e favorecer a construção do conhecimento.

  • Ao observar os exemplos ao lado, comparando-os com outras duas técnicas é possível diferenciar as qualidades e resultados proporcionadas por cada uma das técnicas.

  • A tinta a óleo é mais encorpada e se destaca em relação as demais técnicas, mas também é possível observar que o guache também é encorpado, porém mais opaca, mesmo usando cores mais claras o brilho é pequeno.

  • O giz de cera é intenso, mas suas marcas acompanham a textura do suporte, o mesmo acontece com o giz de lousa.

  • Por fim a caneta hidrocor e a aquarela são técnicas que se incorporam ao suporte, em outras palavras, são absorvidas pelo suporte. Por serem transparentes não possuem o branco e este é obtido não desenhando sobre a área que se deseja o branco. Suas cores e tons são geralmente pouco intensos e são opacos.

  • Da esquerda para a direita estão dispostas as seguintes técnicas de pintura e desenho: tinta a óleo, giz de cera, caneta hidrocor, aquarela, guache e giz de lousa colorido.

  • O estudo das formas, das características físicas, do relevo, entre outras tantas possibilidades poderá ser realizado a partir de desenhos e/ou pinturas feitas pelos alunos. Não importa neste caso a qualidade técnica, mas sim o grau de observação e transposição desta para o suporte e para que isso aconteça o aluno terá que analisar a cor e seus tons, a luz e sombra, a visão em perspectiva, os planos, as formas etc.

  • Quando o professor realiza um trabalho com esta qualidade proporciona ao aluno novas experiências e o melhor, favorecerá a relação entre o meio e o conteúdo escolar na prática e não apenas em teorias.

  • Um trabalho como este substitui com qualidade lousas e mais lousas com texto sobre um determinado tema, condição válida para qualquer disciplina.

  • Agora professor é só ter vontade de experimentar e experienciar, juntamente com os alunos, e proporcionar uma nova forma de estudo, fora das paredes de uma sala de aula.

Cor Complementar 01
Por: Vivaldo Armelin Jr.
• Trata-se de toda cor no círculo cromático que está ao lado de uma cor primária ou geratriz. Esta cor em um círculo de doze cores será sempre o resultado da mistura entre a primária e a secundária a sua direita e a sua esquerda, o mesmo para as secundárias.
• Em um circulo cromático de seis cores as adjacentes de uma primária será sempre uma secundária, esta última originária da mistura entre as duas primárias.

Cores-Pigmento Opacos

Cores-Pigmento Transparentes

Cores-Luz

Cor 01
Por: Vivaldo Armelin Jr.
• O ser humano enxerga uma gama bem variada de cores, mas não todas as irradiações cromáticas. Nossa visão é limitada a uma pequena faixa das irradiações.
• Quanto as variações tonais de cada uma das cores a gama perceptível pelo ser humano também não é muito grande.
• No entanto, esta capacidade perceptiva proporciona ao ser humano distinguir diferenças sutis e detalhadas das formas e elementos, diferentemente de muitos outros seres vivos, pois a gama cromática percebida é muito maior que a de muitos animais.
• Muitos animais não têm a capacidade de enxergar as cores, como é o caso do leão que enxerga em branco, preto, e a gama tonal de cinza. Fato que não o permite identificar com facilidade uma zebra, por exemplo, no meio de arbustos, por isso a necessidade de atacá-las em espaços abertos.
• Este Site do Portal ArteEducar está passando por uma reformulação e a partir dela proporcionar maiores informações e teorias sobre as cores e os neutros (o Branco, Preto e os tons de Cinza - que não são classificados como cor). As informações e teorias passarão pela classificação (que já estava disponível no Portal), como elas são percebidas pelo ser humano e alguns animais, qual a sua importância para as mídias e para a construção do conhecimento, como os neutros fazem parte de cada uma das três classificações (Cores-Pigmento Opacos, Cores-Pigmento Transparentes e Cores Luz) etc.
  • Também serão apresentadas informações e teorias que estão relacionados aos neutros.

  • Não podemos nos esquecer da importância dos neutros no dia a dia do ser humano, na medicina (radiografias, por exemplo) e para as mídias.

  • Os neutros são notados na presença ou ausência da luz, seja ela artificial ou natural, como é o caso da sombra e a variação tonal gerada pela incidência em maior ou menor grau da luz sobre uma área ou sólido.

  • A luz produz efeitos luminosos interessantes e um deles é o arco íris, efeito que provoca admiração pela beleza e a forma como ocupa o céu.

  • Nos nossos estudos sobre as cores abordamos de maneira clara o que é este efeito e como poderá ser reproduzido em sala de aula ou em um laboratório

Voltar para o conteúdo