Avião1a - ArteEducarJun15

Seguindo em frente a 16 anos!
Ir para o conteúdo
Como Fazer > Protótipos

AVIÃO DE CARTÃO  I

Material

A relação fornecida abaixo está descrita em partes para facilitar a produção na quantidade que será necessária para o trabalho com os alunos.

Cuidados e Sugestões
Para que se obtenha bons resultados é necessário alguns cuidados e este quadro tem esta função, pois além dos cuidados com o produto também existe o cuidado com os alunos. Algumas receitas exigem o uso de fogo, produtos químicos, ferramentas elétricas, entre outras possibilidades, e elas poderão causar acidentes.

  • Papel para impressão 140 a 180 g/m2 ou cartolina branca, ou ainda, papel cartão (mais recomendado).

  • Tesoura sem ponta.

  • Cola branca, não usar cola bastão.

  • Um clipe comum.

  • Estilete. Não é necessário que cada aluno tenha o seu, bastam apenas quatro ou cinco. Para crianças pequenas é recomendado que o professor faça os recortes.

  • Nota: espalhar a cola muito bem para não haver peso maior em determinado espaço do corpo ou das asas do avião.

  • O avião poderá ser produzido por qualquer aluno, não há nenhuma restrição.

  • É importante ter paciência e calma durante o recorte, pintura e colagem.

  • O uso de estilete produz cortes mais precisos, mas em se tratando de criança não devem ser utilizados, a não ser que o professor assuma o recorte.

  • O uso de cartolina ou papel cartão impede a impressão em impressora jato de tinta ou laser. Nesse caso faça uma impressão e com o uso de papel cartão transponha o desenho para a cartolina ou papel cartão.

  • Cola branca para madeira é a mais indicada, mas é mais cara.


Como já foi descrito, nosso objetivo é a reflexão e um trabalho a partir de projeto, por este motivo este item, “Ato Pedagógico” irá descrever uma maneira de trabalhar com a receita disponibilizada a partir de um projeto.

Pré-produção (Antes)

1. É recomendado disponibilizar material ou local para a pesquisa sobre o avião, Santos Dumont, tipos de aeronaves etc. Não se esquecer da pesquisa histórica.
Outra pesquisa interessante e importante refere-se à produção comercial deste aparelho.
Comparar os vários modelos de avião desde o primeiro voo até os jatos.
A cópia do modelo ou a criação de um modelo próprio deve ser produzido nesta fase.


Produção (Durante)

2. Nesta etapa, o professor deverá estar atento aos problemas encontrados pelos alunos e não apenas responder ou dar a solução, mas incentivar a busca por uma solução.
Explicar qual é a função do avião em discussões durante o processo de produção.
Orientar os alunos para que tenham atenção e paciência durante o recorte, pintura e colagem.
A montagem do avião poderá ser feita durante uma excursão pedagógica ou atividade externa à sala de aula.

Pós-Produção (Depois)

3. Fazer exposições, mas não apenas com os trabalhos fuinais. Usar vídeos e fotografias a tornarão mais signativa e eficiênte. É neste momento que o aluno poderá, em contato com outros colegas, explicar aquilo que produziu e como o fez.
Produzir animações em vídeo com a técnica stop motion é outra opção. A visita a um museu aeronáutico, a um aeroporto, base aérea ou mesmo campo de aviação é importante como fechamento do trabalho.


PROCESSO

MODELO
Para baixar o modelo em PDF clicar aqui.
É permitido a impressão para uso escolar, mas não para o uso em outros sites ou portais, encartar, distribuir, comercializar, modificar, editar etc.

Tenha em mãos todos os materiais antes de iniciar o trabalho.

1. Imprimir o esquema disponibilizado no portal ArteEducar, como a figura ao lado, em papel grosso de 180 g/m2 ou em cartolina.

2. Recortar as peças com cuidado.

3. Fazer as dobras como indicado.

4. Após dobrar passar cola numa das face interna, oposta à impressa e colá-las.

5. Com um prego furar a tampa sem deixar rebarbas em nenhum dos lados.

6. Colar a peça piso sobre a asa maior centralizando-a com precisão. Aguardar ba secagem.

Nota: Antes de cortar os vão de encaixe, da próxima etapa, verificar a espessura do papel que está utilizando e ajustar à área a ser cortada, primeiro no vão da asa maior e depois da asa menor. A espessura das asas são diferentes, pois a menor não tem piso.

7. Cortar, com o estilete, vazando as duas áreas indicadas da asa maior e depois da asa menor.

8. Encaixar e colar a asa de maneira que ela fique bem firme.

9. Repetir o processo com a asa menor.

10. Encaixar o clipe no bico do avião. Agora é só lançá-lo ao ar e na prática construir o conhecimento.

DICAS & NOTAS

11.  O modelo apresentado poderá ter a aparência que o aluno bem desejar, mas sempre com o acompanhamento e participação do professor. Mais uma vez é preciso reforçar que o professor não poderá fornecer a solução, mas participar da criação e se necessário criando ou lançando problematizações em relação ao projeto e a sua funcionalidade para que o aluno, durante as tentativas entre acerto e erro, buscar soluções e não seja tomado pela impaciência, desmotivação, em outras palavras, à falta de interesse.
O avião, ou melhor, o modelo apresentado é apenas uma referência e não o trabalho final do aluno. Nós do ArteEducar não concordamos com aqueles trabalhos prontos, geralmente belíssimos, mimeografados ou fotocopiados, que nem mesmo o próprio professor é capaz de fazê-lo seja a mão livre, com o auxílio da régua e do esquadro ou do computador.
Educar para a construção do conhecimento é a maneira mais próxima do ideal por possibilitar ao aluno a motivação, o interesse e a necessidade do conhecimento.
O conhecimento que antigamente vinha do professor, hoje em dia vem maciçamente das mídias e nem mesmo o melhor professor consegue dominá-lo.
A quantidade de informação é tanta que não há necessidade da escola para tê-los, então: Qual é o papel da escola? Não mais basear-se apenas na relação ensino e aprendizagem, mas sim na construção do conhecimento. O aluno aprende com o professor e o professor aprende com o aluno.

12. É muito comum ouvirmos de professores e outras pessoas que os alunos hoje em dia não querem ler ou detestam escrever, mas um fato bastante interessante acontece quando usam o computador, mais precisamente a Internet, onde eles superam barreiras e se comunicam através da escrita por E-mail, nos grupos de bate-papo ou em um dos blogs existentes na Rede.

13. Por sinal a escrita que adotam é uma escrita baseada nos sons, muitas vezes incompreensível para aquele que não faz parte do grupo. Então eu pergunto: Será que realmente eles não gostam de escrever ou será que a escrita da sala de aula não é motivadora? Pense bem antes de responder e se coloque no lugar do aluno. Nós sabemos que não é nada motivadora.

14. Como acontece com a escrita outros conhecimento apresentados pela escola tradicional chegam ao ouvido do aluno com uma pergunta: Para que eu estou aprendendo isso? Na televisão já vi o repórter falando sobre este assunto, por que eu devo estudá-lo novamente? Para que servi isso?
A criação e a produção deste modelo tem a função de motivar, gerar interesse, dar oportunidade ao aluno de buscar e construir o seu saber através da experimentação e do experienciar a(s) teoria(s) e a prática, não como ouvinte ou expectador, mas como produtor do seu conhecimento.
Esta é a resposta para a pergunta feita no final do parágrafo anterior, pois o interesse por aquilo que está produzindo o levará à motivação e conseqüentemente ao acerto. Mesmo quando o erro acontece, haverá a descoberta. Uma delas é que o erro é parte inerente do processo.
O erro não pode ser motivo de punição, por um único motiva, caso ocorra punição haverá inibição e desmotivação.
No entanto quando o aluno erra e é motivado na busca do acerto e esse ocorre, terá a sensação de vitória.
Para desenvolver este projeto terá que escrever, desenhar, discutir com colegas e quando da produção, ficar atento a detalhes importantes para que o modelo produza uma resposta adequada.
Quando for lançado ao ar durante os testes ou quando for colocado em um túnel de vento é importante, quando possível registrar o evento em vídeo (VHS, Digital etc.).
Estas propostas e sugestões não se destinam apenas ao professor de Ciências, Artes e Matemática, mas a todos os professores, pois como vimos na primeira parte, as propostas e sugestões não se restringem apenas à uma disciplina escolar.
O conhecimento não é possível se o centrarmos em apenas uma disciplina. Neste caso, é muito importante que ele ocorra por meio de um projeto interdisciplinar e para que realmente este seja viável é também imprescindível que todos os envolvidos saibam inter-relacionar os conteúdos.
Por esta razão se faz necessário repetir: os modelos apresentados não deverão ser usados como a solução final, mas como exemplo para que o aluno crie a sua própria aeronave ou se preferir, seu aeromodelo.

15. Efetivamente dar oportunidade ao aluno de aprender a fazer uma pesquisa e não simplesmente copiar o que já foi criado por outra pessoa, seja a escrita, desenho, projeto etc.

16. Proporcionar fontes diversas de pesquisa, não apenas os livros, mas com pessoas especializadas no assunto, por exemplo: um piloto  ou um mecânico de avião, a vista à espaços voltados a esta área tecnológica etc.

17. Evitar o uso de material caro, muitas sucatas proporcionam resultados surpreendentes.

18. Use os aviões de dobradura para demonstrar os princípios teóricos e práticos antes do trabalho final.

Voltar para o conteúdo